Deus dorme demais

Com tanta coisa acontecendo aqui embaixo, Deus só pode estar dormindo um longo sono pra não nos acudir. Ou quem sabe, tirou um período sabático, depois de tanto esforço, para não fazer nada. Penso que talvez esteja apenas distraído e qualquer hora destas Ele volte seu olhar para cá. Vejo os números de mortos e me confundo com eles, estatísticas soam tão frias. Tanta gente se indo, e nada podemos fazer, exceto seguir com o isolamento, o cuidado com a gente mesmo e com o outro.

Queimadas descontroladas aqui acabando com o que temos de mais precioso, explosão no Líbano, nuvens de gafanhotos, alterações climáticas, ciclones bomba que tendem a ser mais frequentes, ataque de vespas que dizimam abelhas e o futuro alimentar da humanidade, liberação e uso indiscriminado de agrotóxicos, a fome e a Aids matando mais que a Covid na África…. O que mais virá?

Quando a angústia aperta, chego a imaginar que tudo isso é um experimento d’Ele nos colocando à prova, depois do tempo tanto em que vivemos em uma aceleração desenfreada de consumo e egoísmo. Quem sabe esse vírus amedrontador seja apenas uma tentativa d´Ele de nos fazer entrar em contato com o nosso íntimo pra descobrirmos o que de fato é importante e essencial. Talvez fosse mesmo hora de parar. Mas e as crianças sem escolas, brincadeiras no play e o contato com os mestres? E os jovens em época de tentar entrar numa faculdade. Que mal eles fizeram para serem punidos tão severamente?

Pode ser também que Deus esteja fraco e não dando conta de cuidar de todos os seus filhos espalhados por esse mundão, cada um com suas dores, carências, pecados e faltas, muitos não sabendo lidar com tanta carência e injustiça. Vai ver exaurimos nosso Pai com tantos pedidos frívolos, taxando como primordiais as nossas necessidades muitas vezes tão banais e egoístas. É, Deus pode estar atolado.

A Bíblia já previu o fim dos tempos. Esticamos a corda ao limite máximo. Será que a previsão era de acontecer agora? Escritores e músicos criaram obras que hoje poderiam ser chamadas de proféticas, como esta linda canção de Lenine, “Paciência”, lançada em 1999 em seu álbum “Na pressão”:

Enquanto todo mundo espera a cura do mal

E a loucura finge que isso tudo é normal

Eu finjo ter paciência

E o mundo vai girando cada vez mais veloz

A gente espera do mundo e o mundo espera de nós

Um pouco mais de paciência calma

Tem vezes que quero desligar os pensamentos, mas não consigo. Eles me perseguem e nem o trabalho, os livros, a música e o tricô (ao qual recorro quando o bicho pega mesmo), têm me ajudado a desanuviar.

Nessa desconcertante mistura de obstinação e tristeza, é difícil demais lidar com a saudade dos filhos, amigos, eventos, abraços e toda a sorte das boas coisas da minha vida de antes. Só me resta aceitar que nada mais será igual, e já ir pensando em como eu quero que sejam os meus dias quando tudo isso acabar e um novo futuro para a humanidade começar. Seja ele do jeito que for.

(*) Aqui o link para ouvir essa música inteira   https://www.youtube.com/watch?v=2W3O_zz-T00